Menu
quarta, 01 de abril de 2020
Geral

Adélio Bispo, autor de atentado contra presidente, deve ser transferido do Presídio Federal de Campo Grande

18 fevereiro 2020 - 10h18Redação

O Ministério Público Federal (MPF) é contra a permanência de Adélio Bispo de Oliveira no Presídio Federal de Campo Grande. Em parecer enviado ao juiz federal corregedor do Presídio, o MPF argumenta que o Sistema Penitenciário Federal não possui estrutura adequada para cumprir a medida de segurança de internação por prazo indeterminado, à qual Adélio foi sentenciado pelo Juízo da 3ª Vara Criminal da Subseção Judiciária de Juiz de Fora(MG). Ele foi considerado inimputável por sofrer de transtorno mental delirante persistente. O MPF requer a denegação do pedido de renovação da permanência de Adélio no Presídio, com sua devolução imediata ao Juízo de origem.

Para o MPF, “não se questiona a gravidade do ato praticado por Adélio, que visava em última instância atacar pilares fundamentais da democracia, como a liberdade de voto e o direito fundamental de ser candidato. Entretanto, isso não pode servir de justificativa para adoção de soluções sem sustentáculo no ordenamento jurídico. O que o Ministério Público Federal pretende é salvaguardar a própria sociedade, permitindo que profissionais capacitados examinem continuamente a evolução da doença mental e da periculosidade de Adélio, de modo a impedir a sua desinternação antecipada”.

O parecer do MPF baseia-se nos ofícios nº 686/2019 e nº 1193/2019, em que a direção do Presídio reconhece a inaptidão do órgão para promover a execução da medida de segurança imposta na sentença e pede a sua imediata transferência para local adequado. O Departamento Penitenciário Nacional esclareceu ao MPF que todas as Penitenciárias Federais apresentam a mesma estrutura, possuindo capacidade de ofertar apenas os serviços de saúde de baixa e média complexidade (ofício nº 1193/2019). Em outras palavras, não existe unidade no sistema dotada de estrutura para execução de medidas de segurança.

Entenda o caso

Adélio, em 06/09/2018, na cidade de Juiz de Fora(MG), atentou contra a vida do então candidato e hoje presidente da República Jair Messias Bolsonaro, desferindo-lhe uma facada no estômago. Diante disso, o Juízo da 3ª Vara Criminal da Subseção Judiciária de Juiz de Fora (MG) decretou a prisão preventiva de Adélio e requereu a inclusão dele no Sistema Penitenciário Federal para se resguardar a sua integridade física, dado o clamor público gerado pelos fatos.

O pedido foi acatado pelo juiz corregedor do Presídio Federal de Campo Grande em 08/09/2018, sendo Adélio, então, admitido na unidade, onde permanece até hoje. O Juízo da 3ª Vara Criminal da Subseção Judiciária de Juiz de fora/MG, em sentença proferida em 14/06/2019, reconheceu a inimputabilidade de Adélio por ser portador de transtorno mental delirante persistente.

Por isso, foi-lhe aplicada a medida de segurança de internação por prazo indeterminado, “enquanto não for verificada a cessação da periculosidade, o que deve ser constatado por meio de perícia médica, ao fim do prazo mínimo, que fixo em três anos em razão das circunstâncias do atentado e da altíssima periculosidade do réu”.

O Parecer do Ministério Público Federal esclarece que a manutenção de Adélio no Presídio Federal de Campo Grande e não num hospital de custódia ou instituição adequada, implica desobediência à legislação, configurando desvio de execução e tratamento desumano e degradante, que certamente contribui para o agravamento dos seus transtornos psíquicos e incremento de sua periculosidade.

Para o MPF, “os riscos de o Brasil ser representado e condenado perante órgãos internacionais de direitos humanos, portanto, é manifesto, notadamente se Adélio vier a se suicidar por não receber o acompanhamento especializado que o seu caso reclama”.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Alívio
Pequenos empresários de MS são beneficiados com adiamento das parcelas do FCO
Em isolamento
Família haitiana autorizada a entrar no Brasil cumpre quarentena de 14 dias em Corumbá
48 casos confirmados
Três Lagoas confirma primeiro caso da Covid-19
Covid 19
Aulas seguem suspensas até maio no Estado
Geral
Consumidor poderá pagar débitos com a Energisa em até 12X
Refração
Centro-Oeste registra queda de 12,48% nas vendas por e-commerce em fevereiro
Solidariedade em Bonito
Grupo de Jipeiros une forças e doa cestas básicas para famílias carentes de Bonito
Sem colher de chá
Prazo de filiação para se candidatar em 2020 é mantido no dia 4 de abril
Covid 19
Barreiras sanitárias começam a funcionar em três municípios na divisa com SP e PR
Retorno da Imunização
Ainda insuficiente para cobrir grupo prioritário vacinação contra H1N1 é retomada em Corumbá

Mais Lidas

Oportunidade
Correios abrem inscrições para mais de 4 mil vagas de Jovem Aprendiz
Apertando o cinto
Toque de recolher passa a ser cumprido pela PM em Corumbá
Corumbá
Mãe manda prender filho usuário de drogas
Negociação
Empresários de Corumbá pedem flexibilização das medidas restritivas ao Covid-19