Matrículas - Sesi

Ação contra o trabalho escravo resgata 11 homens em fazendas de Corumbá

Por Campo Grande News25 OUT 2017 - 11h28min

Auditores fiscais do trabalho resgataram 11 trabalhadores em duas fazendas no Pantanal de Corumbá, nesta terça-feira (24). O flagrante do MTE (Ministério do Trabalho e Emprego) aconteceu no memso dia em que o STF (Supremo Tribunal Federal) revogou portaria do governo federal que mudou regras de fiscalização e inclusão de empregadores na “lista suja” do trabalho escravo no Brasil.

Flagrante ocorreu no mesmo dia em que o STF revogou portaria do governo federal que altera regras de fiscalização e inclusão de empresas na "lista negra". Foto: Divulgação/MTE 

Segundo Kleber Pereira de Araújo e Silva, chefe da Inspeção do Trabalho do MTE em Mato Grosso do Sul, havia formalização do contrato de trabalho dos homens resgatados.

Ainda conforme o auditor fiscal, em uma das propriedade, havia nove trabalhadores contratados irregularmente para desmatar uma área e transformá-la em pasto para a criação de gado. Na outra fazenda, dois homens trabalhavam na construção de cercas.

No dois locais, os empregados eram mantidos em alojamentos improvisados, sem qualquer condição de higiene (veja mais imagens na galeria), conforme constatação dos fiscais. “Eram barracas improvisadas com lona e plástico, sem local para refeição, armazenamento dos alimentos, banheiros. Eles também não tinha equipamentos de proteção individual para trabalhar”, detalhou Kleber Pereira. 

Um dos alojamentos utilizados pelos trabalhadores. Foto: Divulgação/MTE

Os trabalhadores também não tinham contrato para a prestação dos serviços. Eles foram resgatados e os empregadores autuados.

Agora, os contratantes serão obrigados quitar os débitos com os empregados pelos dias trabalhados. Os trabalhadores também receberão o seguro desemprego.

Kleber explica ainda que os dados sobre a fiscalização serão repassado ao MPT (Ministério Público do Trabalho) responsável por garantir os direitos trabalhistas das vítimas da situação degradante e também ao MPF (Ministério Público Federal) que pode investigar e pedir à Justiça a responsabilização criminal dos empregadores.

“Agora com a liminar, as fazendas também estão sujeitas à inclusão na chamada lista suja”, completou o auditor fiscal sobre a decisão STF de suspender a portaria do governo federal que causou polêmica e foi criticada internacionalmente. 

Lista suja

Dois empregadores de Mato Grosso do Sul, de Dourados e Aquidauana, estão na última “lista suja” divulgadas pelo MTE.

A lista foi divulgada nesta noite de domingo (22) pelo programa Fantástico, da TV Globo. Ao todo, são 132 nomes no cadastro de patrões que mantinham trabalhadores em condições degradantes.
Na última edição lançada, apenas uma empresa de Mato Grosso do Sul constava na lista suja, a Fazenda Santo Antônio, em Dourados. Ela voltou a aparecer nesta nova lista, mas agora ao lado da Fazenda São Luís, em Aquidauana.

Consta como empregador na Santo Antônio a empresa Prestadora de Serviços e Comércio de Madeiras Benites, em caso envolvendo quatro trabalhadores, enquanto que na fazenda São Luís, o empregador é Edvaldo Zagatto e o caso envolve seis empregados.

 

Deixe seu comentário

Leia Também

Combate ao tráfico

Polícia Civil estoura ‘boca’ no Loteamento Pantanal

Procon

Empresas são autuadas por impedirem reserva de passagens interestaduais gratuitas

Emprego

Mercado de Trabalho de MS inicia recuperação e gera mais de 700 vagas em outubro

Educação

IFMS divulga gabarito do Exame de Seleção para os cursos técnicos

Brasil

Presídios terão banco de dados sobre situação de detentos

Concorrência

Ônibus vai operar de Corumbá para Capital com fretagem a R$ 140 ida e volta

Segurança

Receita doa câmeras ao Município e amplia videomonitoramento na fronteira