Andorinha

Quem não soma diminui

Por Sylma Lima06 OUT 2017 - 11h57min

È isso que percebemos após a realização da quinta Parada da Cidadania LGBT em Corumbá: Desunião. Um assunto que tem gerado tanta polêmica e que precisa tanto de respaldo dos poderes e da própria sociedade para ser levado a serio, teve gente disseminando o ódio em redes sociais e pedindo para as pessoas não participarem do evento. O pior, é que, quem estava por traz desse movimento ‘do contra’  eram gays, e que já sofreram na pele o preconceito. E tentaram disseminar uma onda de fofoca destilando veneno e amargura para ‘melar’ a festa. Mas, não deu certo!!!

Não conseguimos compreender esse paradoxo. Pois mesmo  após a ‘Parada’ ter conquistado o recorde de público, continuaram ‘alfinetando’ quem se propôs a fazer o evento, e o faz  há cinco anos, com sacrifícios e muita luta. Parabéns a organizadora Tatiana Amorim, parabéns aos apoiadores desta bandeira do bem, que tem por objetivo buscar o respeito nas diferenças, e parabéns a  todos que participaram desse evento prestigiando, onde a tônica foi o grito de união.

Nosso repúdio, aos que tentaram denegrir a ação. Para vocês deixo o seguinte recado: “ Os cães ladram e caravana passa” . E definitivamente, “ ninguém atira pedras em arvores que não dão frutos” . Corumbá viveu um dia de harmonia, de respeito e união. Com presença de artistas da casa, Djs, Lucilinha Vitório e do ex BBB ‘ Mamão” . A Parada de Corumbá superou a de vários municípios do Estado. Prova que o segredo do sucesso é a persistência. Não houve sequer um registro de violência ou ato de vandalismo durante as dez horas de evento na Praça da Independência. Segundo estimativa da Policia Militar duas mil pessoas prestigiaram as atividades.

Parada do orgulho LGBT ou simplesmente parada do orgulho gay são uma série de eventos de ações afirmativas para a comunidade LGBT que comemoram o orgulho e a cultura de lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros (LGBT).

Deixe seu comentário

Leia Também

Quem não soma diminui

Cacete não é santo, mas, opera milagres

O tiro saiu pela culatra

Na política de cada dia...

Me engana que eu gosto...

Na mira da justiça

Adeus ao ‘homem de Miranda’