Andorinha

Pau de arara

Por Sylma Lima06 FEV 2017 - 15h22min

Sãos os 435 km mais caros do Brasil. Sim!!!! R$ 140 só de ida o trecho no ônibus “ executivo” que faz o itinerário Corumbá/Campo Grande. E para piorar levam animais, junto com a carga que nem sempre chegam vivos no destino. Na madrugada desta segunda,6 de fevereiro, foi um verdadeiro círculo dos horrores. Quem embarcou no executivo as 23:30h deste domingo com destino a Campo Grande enfrentou calor, poltronas desconfortáveis, água quente e cobertas malcheirosas.

Segundo passageiros, as poltronas não reclinavam o suficiente, a água estava quente e o motorista parou em Miranda e desligou o ônibus. Foram 30 minutos de calor insuportável, fazendo com que os passageiros acordassem e reclamassem com o condutor, que só ligou o ar na hora da partida.

Corumbá tem mais de 100 mil habitantes e, quando se trata de reivindicar elevação da entrância especial, pelo número de habitantes, todos correm e abraçam a causa, batem no peito e apontam o ultimo recenseamento. Fazem o mesmo para pleitear recursos juntos ao Fonplata.  Agora, porque não “ trabalham” no sentido que conseguir trazer outra empresa para fazer o transporte de passageiros Corumbá/Campo Grande? Abrir licitação para que haja concorrência, o que ocasionaria melhora nas acomodações e no preço das passagens? Quanto custa esse monopólio?

Quem viaja de Porto Suarez (Bolivia) até Santa Cruz de La Sierra percorre cerca de 700 quilômetros, paga R$ 80,00 por trecho e ainda tem o privilégio de andar em ônibus novos, leitos , (poltronas que deitam de verdade) com ar, televisão e água gelada. Porque será que em Corumbá tudo é feito na contramão? Porque será que ninguém toma atitude? Fazem audiência na Câmara para discutir a questão e depois do evento todo mundo cala a boca. E continuamos como há 30 ou 40 anos atrás. Aqui – definitivamente- o progresso não chega. É o cúmulo do descaso numa cidade turística e que não tem voos para Campo Grande. Enquanto isso há pessoas empenhadas em discutir o sexo dos anjos.

Deixe seu comentário

Leia Também

Quem não soma diminui

Cacete não é santo, mas, opera milagres

O tiro saiu pela culatra

Na política de cada dia...

Me engana que eu gosto...

Na mira da justiça

Adeus ao ‘homem de Miranda’