Andorinha aniversário Corumbá

Democracia

Por Sylma Lima28 JUN 2016 - 12h36min

Eleições 2016 e o Poder Invisível
Por Valmir Moura Fé, Delegado de Polícia

Houve um tempo na Grécia antiga, em que a democracia era exercida diretamente pelo povo, a ideia de democracia teve aí sua origem e desenvolveu-se na história humana. Agregados em grupos e por necessidades diversas, os seres humanos passaram a criar mecanismos de controle social formal com a criação do Estado Moderno, com modos de participação popular sobre o destino da nação e com o objetivo do bem comum. Aristóteles já dizia que, “O homem só ou é um bruto ou um deus”. Ou seja, a reunião em sociedade é da natureza humana e o instinto social inerente à convivência das pessoas.

A democracia se desenvolveu e criou raízes fundamentais em todo o mundo. O povo é, em tese, onde se concentra a origem de todo o poder e é responsável pelas decisões fundamentais do Estado. Isso é realizado por via direta ou indireta, sendo que na praticidade moderna, a participação indireta por meio de políticos eleitos é a forma mais comum nas sociedades atuais.

O interesse do bem comum, defesa do patrimônio público, zelo e probidade na administração pública, seriam, por conseguinte, os reais valores dos representantes do povo. O senso comum há muito tempo desconfia que há algo de errado neste quadro apresentado sobre democracia: povo, seus representantes e o interesse público.

A dúvida se torna mais latente, diante das notícias diárias de que políticos representantes do povo estão envolvidos em crimes de corrupção e desvio de dinheiro público para interesses pessoais. A democracia, a eleição e a ideia central do estatuto democrático estaria em crise, já que um vazio e desilusão se abatem no sentimento do povo. Enganado pelos seus representantes, o povo fica descrente na representatividade popular, nos políticos e na forma apresentada pelo sistema democrático. Este que sobrevive a tudo e a todos os desmandos.

Neste panorama apresentado, e diante das mazelas políticas decorrentes de eleições duvidosas, bem como políticos eleitos com dinheiro sujo, irrigadas com dinheiro da corrupção; ressurge a ideia de Poder Invisível já descrito pelo cientista político Norberto Nobbio. O Poder Invisível ou “Estado Duplo”, seria outra forma de poder existente na sociedade que age de forma oculta, mas que seria o verdadeiro poder que dirige e orienta os destinos da nação. Os representantes do povo (políticos eleitos), na sua grande maioria, agiriam a mando deste Poder Invisível que é verdadeiramente quem manipula os sistemas jurídicos, e até de controle social formal, por interesses isolados a grupos econômicos e ideológicos bem distantes do interesse do povo.

No caso do Brasil, é possível verificar situações em que o sistema representativo eleitoral apresenta fortes indícios de fraude ao regime democrático com engodo ao povo. Haveria a figura do “eleitor fantasma”, ou seja, a massa de pessoas votantes num sistema dominado não pela regra conceitual da democracia, e sim por interesses obscuros (O Poder Invisível).

Partidos e candidatos eleitos são acusados diariamente de usarem dinheiro oriundo de corrupção para financiar candidaturas, inclusive com o chamado “caixa 2”,  dinheiro não declarado na justiça eleitoral, e mesmo os recursos declarados – na verdade – seriam recursos ilegais. Os eleitos seriam fantoches de um Poder outro que não é o instituído pelo Estado; representam não o povo, mas o Poder Invisível e nele se sustenta e defende.

As eleições deste ano serão para prefeitos e vereadores. Segue o padrão das eleições anteriores com leis e regras para todos, digo para o público visível, que os interesses obscuros de grupos econômicos persistirão na vontade de se apropriar dos cofres públicos, bem logo de garantir os serviços públicos fundamentais. O Poder Invisível estará agindo na escuridão. Só com mais informações e educação é que o cidadão poderá agir uma democracia de verdade.  

Deixe seu comentário

Leia Também

Na política de cada dia...

Me engana que eu gosto...

Na mira da justiça

Adeus ao ‘homem de Miranda’

Improbidade compensa?

Tática

....Se correr o bicho pega....